Zagueiros do Futuro

Zagueiros do Futuro

O ajax encerrou a campanha de treinamentos no Brasil no sábado à noite com um amistoso contra o Palmeiras. Após a semana de treinamentos intensivos do outro lado do Atlântico, o Ajax está pronto para a segunda fase da temporada. Toby Alderweireld (22) e Ruben Ligeon (19) tiveram cada um da sua maneira uma semana exitosa. Em entrevista conjunta com o potente defesa e o novato na seleção.

“Se dissesse que estavamos na Turquia, teria acreditado." Toby Alderweireld já conhece muito bem as regras da semana de campanha de treinamentos. O ritmo dos treinamentos, descanso e alimentação não deixam tempo para passeios e visita a pontos turísticos no País que sediará a Copa do Mundo de 2014. Embora tenha apenas 22 anos, as campanhas de treinamentos são “um dia normal de trabalho” para o zagueiro do Ajax. “a viagem ao Brasil não foi a turismo. Sabe o que se pode esperar de uma semana como essa. O importante é que o hotel, o campo, a comida e o clima sejam bons. Quanto a isso foi tudo ótimo. Exceto o clima, estava tudo sob controle e foi tudo bem.”

Ruben Ligeon escuta atentamente a seu colega de trabalho, três anos mais velho que ele. Além da diferença de idade, também há uma diferença de 74 partidas pela “Divisão de Honra” entre os dois zagueiros que seguiram a escola do Ajax. Ligeon fez a estreia dele em outubro passado contra o AZ e viu o marcador subir até agora ao número de três partidas jogadas na competição holandesa. A presença dele durante as campanhas de treinamentos no Brasil e o prolongamento do contrato até 2016 comprovam que ele, com ou sem letra maiúscula, é o lateral direito do futuro.

<i>Alderweireld e Ligeon admiram os arranhas-céu em São Paulo.</i>
Alderweireld e Ligeon admiram os arranhas-céu em São Paulo.

O jovem de Amsterdam, joga desde 2000 pelo Ajax. É uma das razões pelas quais o belga não perturbou muito durante os treinamentos no Brasil seu mais novo companheiro de equipe. “Não preciso me preocupar, pois acho que o Rubens é um tipo de jovem que sabe exatamente o que se espera dele. Desde de pequeno, martelam no Ajax o que é permitido e o que não é. A única diferença é que agora pela primeira vez as coisas acontecem mais rápido para ele. É um jovem tranquilo que sabe o que está fazendo. Percebo nele que tem uma mentalidade forte. É uma fase difícil para os juvenis quando atingem o primeiro time. Acham que já chegaram lá e pronto. O Rubens não pensa assim.”

Isso não é nenhum segredo para o Alderweireld. Há três anos, ele era o “Ruben Ligeon” da campanha de treinamentos em Portugal. Em janeiro de 2009, sob a liderança de Marco van Basten, ele pôde sentir o gosto do que é o trabalho durante uma semana inteira. Logo depois de entrar para o primeiro time, ele passou uma semana de treinamentos no Algarve. Alderweireld: “Se comparar a campnha de treinamentos de então com esta no Brasil, sinto que evoluí muito nesses anos. A gente percebe que está ficando mais velho ao se dar conta de que os preparativos são menos difíceis de que quando se tinha 19 anos. Por isso, posso imaginar como o Rubens se sente.”

Ao contrário, Ligeon acompanhou a desenvoltura e confiança do Alderweireld durante os treinamentos no Brasil. “Toby sempre se adianta. Dá pra perceber que ele está há vários anos no primeiro time. Por isso, estes treinamentos são também tão bons e proveitosos. Vejo todos os dias o que tenho que fazer para chegar ao nível mais alto”, afirma Ligeon. Com o Ricardo van Rhijn ele dividia suas experiência no Brasil.

Como provável sucessor de Gregory van der Wiel, Ligeon sabe que pode entrar depois no lugar do Alderweireld. O belga tinha primeiro Oleguer e depois Rob Wielaert na frente. Daí chegou a vez dele. Alderweireld: “No Ajax, a gente tem que batalhar para ter oportunidade, mas elas têm que acontecer. Se o Van der Wiel sair, abre uma vaga de lateral direito. No momento, o Ruben tem que agarrar suas chances e mostrar que está pronto pra isso. Assim funciona no futebol profissional.” Ligeon medita nas palavras do Alderweireld. “Tenho que crescer aos poucos no meu papel, por isso é bom ter uma experiência como essa no Brasil. Depois vamos ver o que acontece. Não conto com nada ainda, depois a coisa só pode ficar ainda melhor.”

Texto e fotos: Ajax.nl/Daan Germans.